Foto pb

Talita Hoffmann

Porto Alegre/RS, 1988. Vive e trabalha em São Paulo/SP.

Porto Alegre/RS, 1988. Vive e trabalha em São Paulo/SP.

Talita Hoffmann trabalha com pintura, design e ilustração. Graduada em Design Visual, já fez projetos para editora Ubu, Folha de S. Paulo, MTV, SESC, revista Quatro Cinco Um, entre outros. Já realizou exposições individuais e coletivas em espaços como Galeria Logo, MAM-RJ, MAM-RS, MIS, Fumetto International Comix Festival e Galeria Lume.



Work pintura mis
Work museu do trabalho   02
Work magma   01
Work combust vel   03
Work combust vel   01
Work cidade no interior   11
Work cidade no interior   09
Work cidade no interior   08
Work cidade no interior   03
Work cidade no interior   02
Work atelie   01
Work areia movedi a 1


2013 – Prêmio aquisição no IV Prêmio Artes Visuais João Simões Lopes Neto, Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo, Pelotas/RS

2008 – 1º prêmio no salão A Novíssima Geração, Museu do Trabalho, Porto Alegre/RS

Exposições Individuais

2015 – Areia Movediça, Galeria Lume, São Paulo/SP

2013 – Cidade no Interior, Galeria Logo, São Paulo/SP

2011 – Combustível, Mini Galeria, Belo Horizonte/MG

2009 – Campos e Antenas, Museu do Trabalho, Porto Alegre/RS

 

Exposições Coletivas

2019 – Wall Between / #Contratodos, SC Gallery, Bilbao - Espanha

2018 – MetaMagma, Chácara Lane, São Paulo/SP

2018 – Verbo 2018 (com o grupo Depois do Fim da Arte), Galeria Vermelho, São Paulo/SP

2018 – Magma - Fumetto International Comics Festival 2018, Lucerna - Suíça

2017 – Arte Londrina 5 - Divisão de Artes Plásticas da Casa de Cultura da Universidade Estadual de Londrina/PR

2017 – Abre Alas 13, A Gentil Carioca, Rio de Janeiro/RJ

2016 – Do Traço ao Palco, Praça das Artes, São Paulo/SP

2016 – Ponto Cego, Ateliê 397, São Paulo/SP

2016 – Programa Exposições 2016 do MARP, Museu de Arte de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto/SP

2015 – Arte Core, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro/RJ

2015 – 23º Programa Nascente, Centro Universitário Maria Antônia USP, São Paulo, Brasil

2015 – 43º Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto, Casa do Olhar Luiz Sacilotto, Santo André/SP

2014 – Supercolina, Galeria Logo, São Paulo/SP

2014 – Shouts of Korea. KOTRA (Seul) e Gail Museum (Gyeonggi-do) - Coreia do Sul

2014 – Lista, Galeria Logo, São Paulo/SP

2013 – Entre: Curadoria de A a Z, Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/RS

2013 – IV Prêmio Artes Visuais João Simões Lopes Neto, Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo, Pelotas/RS

2013 – Lista, Galeria Logo, São Paulo/SP

2012 – Metropolitanos, Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/RS

2012 – Lista, Galeria Logo, São Paulo/SP

2012 – Projeto Portfólio #12, Aktuell, São Paulo/SP

2011 – Fages & Hoffmann, |/_ Galeria, Buenos Aires - Argentina

2011 – The International New Talented Artist Exchange Exhibition, Art Emperor, Taiwan - China

2010 – November 2010 Group Exhibition, Flatcolor Gallery, Seattle - Estados Unidos

2010 – Transfer, Pavilhão das Culturas Brasileiras, Parque Ibirapuera, São Paulo/SP

2010 – Nova, Museu da Imagem e do Som, São Paulo/SP

2010 – Lava at The Rag Factory, The Rag Factory, Londres - Inglaterra

2009 – Hartas Artistas, La Residencia (Bogotá), Taller 7 (Medellín) e Frontera Sur (Calli) - Colômbia

2009 – Noz na Fita, Galeria Fita Tape, Porto Alegre/RS

2009 – Ocho, Rojo Artspace, Barcelona - Espanha

2008 – Surfacing, Hibbleton Gallery, Califórnia - Estados Unidos

2008 – Candycult, Breadbox Gallery, Perth - Austrália

2008 – Helsinki Biennale, Design Museum, Helsinque - Finlândia

2008 – Trimassa: Porto Alegre na Choque, Galeria Choque Cultural, São Paulo/SP

2008 – A Novíssima Geração, Museu do Trabalho, Porto Alegre/RS

Areia Movediça

Paulo Kassab Jr., 2015

O processo de urbanização e industrialização tardio em países como o Brasil trouxe características únicas à infraestrutura urbana destes locais e, ao mesmo tempo, criou uma estética quase surrealista em grandes cidades. Casas abandonadas, prédios modernos, shoppings e museus convivem como se fossem colagens de imagens sobre o que restou de antigas construções.

Em suas pinturas, Talita Hoffmann estabelece uma relação constante com a mudança nos espaços ao seu redor ou em cidades que passaram por fortes transformações. Planos e ambientes tomados por colagens, linhas e cores. A presença dos personagens é percebida na ausência, o sigilo e a desordem insinuam o barulho. O contraste é flagrante. A mostra da existência pelo abstrato. O concreto invade a tela em paletas de cores e conta histórias pela arquitetura. Mesmo em espaços vazios escondem-se narrativas.

Em um universo com distintas influências, das cores e traços da arte naif, passando pelas fotografias de Walker Evans durante a depressão nos EUA e pelo design gráfico, a exposição Areia Movediça evidencia que as ações do homem e as transformações na cidade - construções e desconstruções - são, em sua maioria, vestígios de incidentes, que percebem o silêncio subsequente ao ruído. 

 

Cidade no Interior 

Lucas Pexão, 2013

Em sua exposição individual na galeria LOGO, a jovem artista gaúcha Talita Hoffmann apresenta obras inéditas que pela primeira vez relacionam sua pintura no tempo e no espaço. Se em seus trabalhos anteriores as cenas desoladas e apocalípticas retratadas eram irrastreáveis, quase alienígenas, agora Talita encontrou uma associação direta com um momento histórico específico: a Grande Depressão americana dos anos 30. Usando como ponto de partida as fotos de Walker Evans que cristalizaram o período no imaginário popular, Talita transpõe para a sua dimensão inventada as notórias paisagens de beira de estrada, com suas construções precárias e placas comerciais pintadas à mão.

Como na música folk do sul dos Estados Unidos, que conectou a artista com as fotos de Evans, suas pinturas exaltam a simplicidade das coisas e a sinceridade das pessoas, projetando uma experiência que ela própria, como habitante de centros urbanos, não vivenciou. Nesse experimento de falsa nostalgia, Talita mantém-se fiel aos seus ideais estéticos, produzindo imagens agradáveis e ao mesmo tempo estranhas com tinta acrílica sobre tela ou papel. Apesar da sanidade, as composições improváveis e figuras anormais criadas com precisão pela artista possibilitam relacionar sua obra com a de artistas realmente outsiders e insanos, como Henry Darger. 

Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MAC-RS_

Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo

Brazil Golden Art

×