Favicon 53c4217df509e8880074b6dd49fcda0a9119b0db701d41d3cefd130ec3895c95
Aura julia milward perfil

Júlia Milward

Rio de Janeiro/RJ, 1983. Vive em São Paulo/SP e trabalha em Brasília/DF.

Graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais, e em Artes Plásticas pela Université Paris 8, na França. Mestre em Fotografia Contemporânea pela École Nationale Supérieure de la Photographie, França e em Poéticas Contemporâneas pela Universidade de Brasília, DF. Doutoranda em Métodos e Processos em Arte Contemporânea pela Universidade de Brasília, DF. Expôs coletivamente 46 vezes em 4 países diferentes (Brasil, França, China, Canadá). Individualmente, 6 vezes. Participou de 16 publicações e 4 residências artísticas. Ganhou 4 prêmios (Arca-Suiss + Transborda Brasília + Funarte + Salão de Guarulhos) e foi indicada ao Prêmio PIPA.

Work aura julia milward 22
Work aura julia milward 21
Work aura julia milward 20
Work aura julia milward 19
Work aura julia milward 18
Work aura julia milward 17
Work aura julia milward 16
Work aura julia milward 16
Work aura julia milward 15
Work aura julia milward 14
Work aura julia milward 13
Work aura julia milward 12
Work aura julia milward 11
Work aura julia milward 10
Work aura julia milward 09
Work aura julia milward 08
Work aura julia milward 07
Work aura julia milward 06
Work aura julia milward 05
Work aura julia milward 04
Work aura julia milward 03
Work aura julia milward 02
Work aura julia milward 01

Prêmios:

2016 - 15º Salão de Arte Contemporânea de Guarulhos (3º), Guarulhos/SP.

2016 - Indicada ao Prêmio PIPA/Brasil.

2015 – Funarte/Brasil.

2015 - Transborda (2º), Brasília/DF.

2009 - Prix Arca-Suiss, Arles/França.

Exposições individuais

2017 - Arfantes, Centro Municipal de Educação Adamastor, Guarulhos/SP.

2017 - As cinco maneiras de construir: um guia prático, Alfinete Galeria, Brasília/DF.

2016 - Exercícios para um estilo, Galeria Emma Thomas, São Paulo/SP.

2015 - Planos planos, Centro Cultural Bernardo Mascarenhas, Juiz de Fora/MG.

2015 - Bom dia, adeus e obrigada, Alfinete Galeria, Brasília/DF.

2011 - Como fazer parar a chuva, Espaço Experimental, Juiz de Fora/MG.

 

Exposições coletivas selecionadas

2017 - Elogiamos a casa que se abre a perder de vista, Bolsa de Arte, São Paulo/SP.

2017 - Eu queria ser lida pelas pedras, Galeria Guaçuí, Juiz de Fora/MG.

2017 - Uns, Espaço Breu, São Paulo/SP.

2017 - Pela estrada e fora, Arte Londrina 5, Dap/UEL, Londrina/PA.

2017 - Acumuladores, Casa Nubam, São Paulo/SP.

2017 - Afinidades Eletivas, C galeria, Rio de Janeiro/RJ.

2017 - À vista, Galeria Fayga Ostrower, Funarte, Brasília/DF.

2016 - Exercícios de resistência, Galeria Guaçui, Juiz de Fora/MG.

2016 - 1º Prêmio Vera Brant de Arte Contemporânea, Palácio do Buriti, Brasília/DF.

2016 - Desordem, Baró + Emma Thomas, São Paulo/SP.

2016 - Quero que você me aqueça nesse inverno, Espaço Elefante, Brasília/DF.

2015 - Narrativas Turvas, Galeria Orlando Lemos, Belo Horizonte/MG.

2015 - Fotos contam fatos, Galeria Vermelho, São Paulo/SP.

2015 - Transborda, Caixa Cultural, Brasília/DF.

2015 - Tempo Movimento - VI prêmio de Diário Contemporâneo, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, Belém/PA.

2013 - Ser Paisagem, Espaço Piloto, Brasília/DF.

2013 - Charivari dos Garis, Casa da Cultura da América Latina da UNB, Brasília/DF

2012 - Pós-Happening, Galeria Espaço Piloto, Brasília/DF.

2012 - Bienal Universitária de Arte, CentoeQuatro, Belo Horizonte/MG.

2012 - Foto 12, Centro Cultural Bernardo Mascarenhas, Juiz de Fora/MG.

2012 - Gambiarra, Galeria Espaço Piloto, Brasília/DF.

2011 - A distances, Centre Photographique d’Ile de France, Paris/França.

2011 - Projet A4+, PCF, durante o festival «Rencontres Internationales de la Photographie», Arles/França.

2011 - Photorrida, Magasin de jouets, Arles/França.

2010 - Small Victories, Little Mountain Gallery, Vancouver, CAN + Above second gallery, Hong Kong/China.

2010 - Wip, Eglise Saint-Julien, durante o festival «Rencontres Internationales de la Photographie», Arles/França.

2010 - Montage parallèle, Galerie Aréna, Arles/França.

2009 - Yeux des Montagnes, Museu Casa Guignard, Ouro Preto, BR + Casa de Cultura, Juiz de Fora/MG.

 

Salões e residências:

2016 - 15º Salão de Arte Contemporânea de Guarulhos, Centro Municipal de Educação Adamastor, Guarulhos/SP.

2016 - Residência Casa Tomada - Intervalo-escola, São Paulo/SP.

2016 - Residência Coletivo Agata - Dizer sim à (r)existência, São Paulo/SP.

2016 – Residência Nuvem - Estação Rural de Arte e Tecnologia, Serra da Mantiqueira/Brasil.

2014 - Alfinete Galeria, Brasília/DF.

2013 - Salão de Outono da América Latina, Aliança Francesa, São Paulo/SP.

 

Publicações:

2017 - Catálogo Elogiamos a casa que se abre a perder de vista/Brasil.

2017 - Torna-Viagem, Pewen Cuadernos de Fotografía, Editora Muga/Espanha.

2017 - Catálogo Arte Londrina 5/Brasil.

2017 - Catálogo À vista/Brasil.

2016 - Em algum lugar dos Atlas, Editora Xêmoá/Brasil.

2016 - Catálogo Prêmio PIPA/Brasil.

2016 - Catálogo Prêmio Diário Contemporâneo/Brasil.

2015 - Provas materiais das passagens [o deserto], Editora Xêmoá/Brasil.

2015 - Catálogo Fotos contam fatos/Brasil.

2015 - Catálogo FOTO 15/Brasil.

2015 - Catálogo Transborda/Brasil.

2015 - Catálogo Prêmio Diário Contemporâneo/Brasil.

2014 - Notas sobre notas, Editora Xêmoá/Brasil.

2013 - Catálogo Linha-tênue/Brasil.

2013 - Catálogo Salão de Outono da América Latina/Brasil.

2013 - Revista A3 #4/Brasil.

2012 - Zine Cocô #0/Brasil.

2012 - Catálogo FOTO 12/Brasil.

2011 Types of women you should date, Editora Xêmoá/Brasil-França.

2011 - Edição À distances, ENS éditions/França.

2011 - Catálogo FOTO 11/Brasil.

2010 - Edição WIP #3/França.

2009 - Edição WIP #2/França.

O peso do pedaço de papel

Mauro Morais

Para ilustrar seu trabalho, Júlia Milward lança mão do registro de sua primeira comunhão, vestida de branco, na capela da escola. “Sou eu, me lembro de um monte de coisas. De um amigo meu que achou que era broche um besouro pousado em mim. Me lembro dos gritos. Sei quem era o fotógrafo, porque era o mesmo de todos os eventos da escola. Me lembro das músicas. Só não me recordo do segundo em que posei para a foto. Ela existe e me faz lembrar disso tudo, só não faz voltar à memória o instante em que fui para o canto para ser fotografada. Não me lembro de terem me levado. Esse instante ficou gravado e, por causa dele, me recordo dos outros”, conta, para logo completar: “A fotografia não é uma coisa vista, é algo mais ou menos visto. Você viu, percebeu, mas, naquele instante, não viu”.

Há ruídos entre memória afetiva e imagem de registro. E eles estão no foco da loira de cabelos longos, olhos claros, gestos reduzidos e um sotaque que não deixa dúvidas sobre os anos em que viveu na França, estudando na Universidade de Paris 8 e na Escola Nacional Superior de Fotografia de Arles. Aos 31 anos, Júlia Milward, atualmente residindo em São Paulo, após concluir mestrado na Universidade de Brasília, investiga o complexo na fotografia. Fala da superfície sem se deixar superficial. Em “[planos planos]“, série que apresenta no Centro Cultural Bernardo Mascarenhas (CCBM), na programação do “JF Foto 15″, a artista nascida no Rio e crescida em Juiz de Fora observa a fotografia como esse pedaço de papel plano, sobre o qual traça seu próprio plano de pesquisa.

“Meu interesse está em como subverter as formas como as fotografias são utilizadas, pensando: ‘o que é o ato de fotografar?’. O escritor Georges Perec fotografa escrevendo”, diz ela, que acaba de vencer o “Transborda Brasília – Prêmio de arte contemporânea”, que teve na banca os referenciais para o pensamento da produção de hoje no país, Agnaldo Farias, Cristiana Tejo, Fernando Cocchiarale, Marilia Panitz e Ralph Gehre. Além de ter seu trabalho adquirido no valor de R$ 6 mil, Júlia ganhou uma bolsa de estudos para o curso Dynamic Encounters Brasil, ministrado por Charles Watson, e acompanhamento crítico de trabalho e produção com a curadora Cristiana Tejo, pelo período de seis meses.

Atlas, obscenidades e cisões

A obra com a qual Júlia Milward tornou-se uma das principais vozes da cena contemporânea da capital federal está em cartaz em Juiz de Fora. Em “[Em algum lugar dos atlas]", a artista se utiliza da experiência e da impressão do outro para fazer seu discurso sobre as muitas camadas que uma fotografia esconde. “Trabalho com fotos que achei, pousadas com cuidado, em uma caçamba em São Paulo. Convivi muito tempo com elas sem saber o que fazer. Não queria pesquisar quem eram as pessoas ou criar uma narrativa. Queria questionar a superfície”, pontua. “A primeira foto tem o nome de um hotel, e fui pesquisar, e ele está em uma cadeia montanhosa chamada Atlas. Peguei as fotos, escaneei, passei para P&B, imprimi em papel fotográfico e fiz a primeira intervenção – tirei o rosto dos personagens e pequenos riscos. Depois, escaneei de novo, fiz novas intervenções e por aí fui, até achar que deu”, esmiúça o processo.

Cada imagem contém diferentes camadas de intervenções que convivem no resultado final. “A fotografia tem isso, porque a pessoa não convive com as imagens quando são tiradas”, comenta. Ainda que o start de cada registro não tenha partido de sua mão, Júlia é enfática ao defender sua autoria. “Quando coloco meu ponto de vista sobre algo estou inscrevendo.” Já em “[Casos de cisão]“, uma imagem, como num papel de parede, aparece rasgada numa quina perto de um teto. “Há um estranhamento no olhar pela constatação de um corte na imagem e na perspectiva. Temos uma relação, um envolvimento afetivo com a fotografia. Se rasga, é como se o fizesse na realidade”, aponta.

“[Obscenas]” revela a fotografia como um simples objeto, cujo valor é dosado pela afetividade. “Essa série é sobre o que está fora da cena e vem de uma frase do poeta francês Emmanuel Hocquard, que tem um livro chamado ‘A teoria das mesas’: ‘A mesa é um sobre/uma frase não tem versão/uma fotografia não tem costas’”, conta, apresentando retratos de família, fotos compradas em mercados de pulgas – “a intimidade de um desconhecido” – com pequenos cortes, rabiscos e outras avarias que o tempo e o uso deram conta de fazer. “Não chamo de defeitos nas imagens, mas elementos que revelam que aquilo é um papel. Por isso viro as costas das imagens e uso em P&B, que está longe de ser a forma como enxergamos. Aquilo ali, então, não é nada além de uma ilusão”, defende. Sem, necessariamente, portar uma câmera, Júlia pensa o clique: os seus e os de todos. “O que é essa imagem que carrego comigo? Qual o peso do retrato de alguém?”, questiona.

(Publicado no Jornal Tribuna de Minas, 1 de setembro de 2015)

Obras em acervos públicos:

École Nationale Supérieure de la Photographie em Arles

Ano de doação: 2011.

Obra: Sem título, 2010 (A bunda)

 

Caixa Cultural

Ano de aquisição: 2015.

Obra: Em algum lugar dos Atlas, 2014.

Tiragem: 02/05

 

Diário Contemporâneo

Ano de doação: 2015.

Obra: Still Life, 2012 [versão redux].

 

Obras em acervos particulares:

Sérgio Carvalho

Ano de aquisição: 2015.

Obra: Em algum lugar dos Atlas, 2014.

Tiragem: 01/05

 

Manuel Neves – Galeria Elefante

Ano de aquisição: 2015.

Obra: Still Life, 2012.

Tiragem: 01/10

 

Manuel Neves – Galeria Elefante

Ano de aquisição: 2017.

Obra: Os visitantes, 2016.

Tiragem: 01/02

 

Sérgio Carvalho

Ano de aquisição: 2017.

Obra: III [ausentes], 2017.

Tiragem: 01/05

 

Sérgio Leo

Ano de aquisição: 2017.

Obra: III [ausentes], 2017.

Tiragem: 02/05