Favicon 53c4217df509e8880074b6dd49fcda0a9119b0db701d41d3cefd130ec3895c95
Aura alexandre copes

Alexandre Copês

São Gabriel/RS, 1988. Vive e trabalha em Porto Alegre.

Artista visual graduado pelo Instituto de Artes da UFRGS, atua como produtor cultural na Galeria Genuinaobra e é assistente pessoal do artista Carlos Pasquetti. Desenvolve sua pesquisa sobre questões de corpo, gênero e afetos em cruzamento com o desenho, fotografia, texto e vídeo.

Recentemente, a Azulejo Arte Impressa publicou um livro com os desenhos da série Campos de Cuidado de Alexandre Copês. É possível adquirí-lo através do site: http://bit.ly/1TI1Pxm

Sites do artista: http://cargocollective.com/alexandrecopes e http://cargocollective.com/camposdecuidado

2015 - Prêmio Açorianos de Artista Revelação, com a mostra Campos de Cuidado, IEAVI, Porto Alegre/RS.

2013 - Prêmio Açorianos de Melhor Exposição Coletiva D43 e convidados, Lugares do Desenho, Porto Alegre/RS.

Formação

2013 – Graduação em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UFRGS, Porto Alegre/RS.

 

Exposições individuais

2015 - Campos de Cuidado, Fotogaleria Virgilio Calegari, Casa de Cultura Mario Quintana, 4º Prêmio IEAVi, Porto Alegre/RS.

 

Exposições coletivas

2015 - Aura Ocupa #1: Sala Branca, Porto Alegre/RS.

2015 - Livro Interferido II, realização Arte ConTexto e Grupo de Pesquisa CNPq Arte Impressa (UFSM), com apoio do Bar Ocidente e Traça Livraria, Porto Alegre/RS.

2015 - Artista convidado para ilustrações Snaps Fanzine #4, São Paulo/SP.

2015 - Sem Suporte, Acervo Independente, Porto Alegre/RS.

2015 - Quanto tempo dura um verão, Galeria Café da Duque, Porto Alegre/RS.

2015 - SELFIE, Galeria dos Arcos, 1o andar, Usina do Gasômetro, Porto Alegre/RS.

2014 - Manifesto: Poder, Desejo, Intervenção, Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (MARGS), Porto Alegre/RS.

2014 - Futurama, Inovações da Juventude, Museu dos Direitos Humanos do Mercosul, Porto Alegre/RS.

2014 - Volúpia Construtiva, Prazer e Ordenamento em Desenho sobre Papel no Acervo do MACRS, Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/RS.

2014 - Áudio Visual Sem Destino, Pinacoteca Barão de Santo Ângelo, Instituto de Artes da UFRGS e Galeria Mamute, Porto Alegre/RS.

2014 -  15/15, Pinacoteca Barão de Santo Ângelo, Instituto de Artes da UFRGS, Porto Alegre/RS.

2013 - Exposição D43 e artistas convidados: Lugares do Desenho (com a participação de Claudia Barbisan, Lia Menna Barreto, Mauro Fuke, Gerson Reichert, Nick Rands, Jaca, Gelson Radaelli, Fábio Zimbres, Eduardo Haesbaert, Fernando Lindotte e a artista francesa Marianne Chanel), Pinacoteca Barão de Santo Ângelo no Instituto de Artes da  UFRGS, Porto Alegre/RS.

2013 - Temporubato, mostra de vídeo-arte realizada pelo coletivo Orbe no Jardim Lutzemberger da Casa de Cultura Mario Quintana, Porto Alegre/RS.

2012 - Participação na execução de uma obra na individual de Kelvin Koubik, Diagnósticos, Galeria Iberê Camargo, Usina do Gasômetro, Porto Alegre/RS.

2012 - 20x20, Galeria Bolsa de Arte de Porto Alegre/RS.

2012 - Coletivo Orbe - Íntimo - vídeo selecionado para mostra Sala Redenção, Porto Alegre/RS.

2012 - Encontro Imprevisto, curadoria da Maldito Ofício na Aliança Francesa de Belo Horizonte/MG.

2011 - À Margem da Paisagem, com Carolina Marostica e Marcos Fioravante, Espaço Ado Malagoli, IA da UFRGS, Porto Alegre/RS.

2011 - Desenho painel Ellus 2nd Floor, Porto Alegre/RS.

2011 - Noz Na Fita, Galeria Fita Tape, Porto Alegre/RS.

2010 - NIQ, Iluminuras realizada na Usina do Gasômetro, Porto Alegre/RS.

2010 - Exposição de gravura, alunos revelação 2009, Espaço Ado Malagoli, IA da UFRGS, Porto Alegre/RS.

2010 - Intervenção no Festival Macondo Circus em Santa Maria, Paisagem Transfigura, com coautoria de Carolina Marostica, Porto Alegre/RS.

2010 - Bando de Barro na 3 Bienal B, Arquivo Público Municipal de Porto Alegre/RS.

2010 - Coleções, Espaço Ado Malagoli, IA da UFRGS, Porto Alegre/RS.

2009 - Guardar, Bando de Barro, Arquivo Público Municipal de Porto Alegre/RS.

2009 - 2ª Coletiva, Núcleo de Ilustração e Quadrinhos da UFRGS (NIQ), No Universo da Literatura Infantil, Espaço Ado Malagoli, IA da UFRGS, Porto Alegre/RS.

2009 - Exposição do NIQ, Ilustrações Recontos de Fadas no Rio G. do Sul na 55 Feira do Livro de Porto Alegre/RS.

Geografia doméstica

Eduardo Veras

 

Não é um estupendo paradoxo, nenhuma clamorosa contradição, mas alguma tensão, nas partes e no todo, acompanha essa primeira exposição individual de Alexandre Copês (São Gabriel, 1988). 
Antes de tudo, há justamente isto: as partes e o todo. Campo de cuidado solicita ora a aproximação, o exame atento dos detalhes, a contemplação minuciosa; ora o distanciamento, o olhar que procura abarcar o panorama completo, a adição dos fragmentos, a apreensão do “campo” e a pergunta pelo “cuidado”. 
Talvez, mais do que isso, o que a exposição da Galeria Virgílio Calegari venha nos pedir seja uma espécie de contínua oscilação – entre o mais imediato, cada pequeno desenho, cada anotação, e o conjunto acumulado, a parede coberta de desenhos, os ensaios fotográficos, os livros e as plantas vivas. O importante estaria precisamente nesse movimento inquieto, dos sinais quase imperceptíveis ao corpo inteiro, e vice-versa: semente e campo, cultivo e cuidado.
Outro ponto de tensão viria do convívio entre a delicadeza dos desenhos, a suavidade da linha, a despretensão fotográfica, a modéstia da estufa, quase bonsai, e, por outro lado, o desabusado de algo que vai ali representado, cheio de potência, sexual, sensual, explicitado: os pelos, o falo, o preservativo extragrande. A linha tênue, adocicada, e as fotografias – caseiras, instantâneas – dão forma a desejos privados, confessionais, dessa vez escancarados. 
Advirta-se, porém (são tempos barulhentos os nossos), que nenhuma ambição de escândalo pauta esse Campo de cuidado. O assunto que emerge da flutuação entre o particular e a coleção, entre o sutil e o desavergonhado, é o elogio aos afetos mais íntimos, a necessidade de cuidado e atenção, a discreta celebração de uma geografia doméstica, com suas exigências diárias e inadiáveis. Ainda a máxima do Cândido, eternamente ressignificada: “É preciso cultivar nosso jardim”.

(Eduardo Veras é Crítico e historiador da arte, professor do Instituto de Artes da UFRGS. Texto do inverno de 2015.)

 

> Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul, MACRS, Porto Alegre/RS.